Quinta da Lixa entra na Colômbia com a Jerónimo Martins

4 SETEMBRO 2014
A Quinta da Lixa reforçou a sua aposta no mercado sul americano, ao entrar na Colômbia através do Grupo Jerónimo Martins.

Após Brasil, México e Porto Rico, a empresa passa, a partir da próxima semana, a ter vinhos exclusivos nas 53 lojas Ara existentes no mercado colombiano.

Uma economia em crescimento, com uma classe média a surgir com poder económico e interesse por vinhos e um consumo per capita de 1,75 litros de vinho justificam a aposta da empresa neste mercado, que é um dos com mais barreiras à entrada.

O objetivo da Quinta da Lixa passa por, a prazo, estar presente em várias outras cadeias de distribuição de grande dimensão e, ao mesmo tempo, ter uma boa presença na restauração com uma gama de vinhos diferente daquela que existe na distribuição. “Todo este processo vai ser, no entanto, um pouco moroso. A Colômbia é um mercado bastante burocrático, onde todo o processo de registo dos vinhos nas mais variadas entidades leva, pelo menos, um ano. A nossa aposta neste país vai funcionar como uma primeira experiência num mercado pouco conhecedor de vinhos mas, ao mesmo tempo, com um potencial de crescimento enorme”, afirma Óscar Meireles, administrador da Quinta da Lixa.

De momento, a empresa de vinhos verdes tem já projetada a presença na Vinexpo 2015 em Bogotá, ações de formação aos responsáveis de loja/seção do Grupo Ara, jantares vínicos de apresentação a jornalistas e in-store tastings.

Com a entrada na Colômbia, a Quinta da Lixa passa a exportar para 31 países, sendo que EUA, Alemanha, Holanda, Suíça e Áustria são os mercados que assumem mais importância em termos de volume de vendas.

Recorde-se que a Quinta da Lixa encerrou o primeiro semestre com vendas de 3,3 milhões de euros, um aumento de 5,2% relativamente ao período homólogo anterior, e que, pela primeira vez, ultrapassou os 50% de exportação.