PortugalFoods integra presidência do EUROAGRI

9 SETEMBRO 2014
A PortugalFoods, associação responsável pela inovação e internacionalização do sector agroalimentar nacional, e o Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, assumiram a presidência do EUROAGRI, a rede estratégica do programa EUREKA que se dedica ao sector agroalimentar.

Os dois organismos ficarão assim responsáveis pela criação de uma estratégia de dinamização de projetos de Investigação & Desenvolvimento, os quais orientados para o mercado.

Constituído em 1991, o EUROAGRI é um meio operacional estratégico do programa EUREKA, focado na promoção da inovação no seio do sector agroalimentar europeu. No âmbito do EUROAGRI, e considerando apenas exemplos que contaram com o contributo português, foram desenvolvidos diversos produtos que hoje são de utilização comum, como as saladas prontas a comer (E!1975 Greentec) e as maçãs fatiadas e prontas a comer, e efetuadas melhorias no processo alimentar, como a redução substancial de químicos no armazenamento de arroz (E!3747 IPM-Rice).

João Santos Silva, novo chairman do EUROAGRI, explica que os 43 países que compõem o EUREKA aprovaram, em Bergen, na Noruega, “as novas linhas programáticas do EUROAGRI até 2018 – E!9159 Euroagri Foodchain 2 –, alargando a sua influência para além do alimentar e permitindo agora apoiar também os projetos de consórcios internacionais nas diferentes áreas relacionadas com a bioeconomia”.

Por outro lado, Ondina Afonso, diretora executiva da PortugalFoods, sublinha “a importância das empresas do sector agroalimentar português se aproximarem de redes europeias, por forma a estabelecerem pontes para cooperação estratégica com outros países, e esse estimulo e suporte é dado pela PortugalFoods”.

A valorização das tecnologias europeias em mercados emergentes e a dinamização dos standards de segurança e qualidade alimentar europeus noutros mercados constituem outros dos objetivos a defender pelo EUROAGRI. A escolha de Portugal para a presidência teve em consideração o histórico de interação científica com a América Latina e a proximidade com mercados em crescimento, como o dos países lusófonos.

Com Portugal na presidência inicia-se uma oportunidade de sinergias com outras redes de inovação europeias, esperando o EUREKA reforçar a articulação com as Plataformas Tecnológicas Europeias (ETPs), o Instituto Europeu de Tecnologia (EIT) e a ERRIN – Rede de Regiões Europeias com Ciência e Inovação, nos esforços conjuntos para a promoção da competitividade Europeia nas áreas agroalimentares.