Governo deve aliviar carga fiscal das famílias

11 SETEMBRO 2014
A Confederação dos Serviços de Portugal (CSP) aguarda com expetativa a apresentação do Orçamento do Estado para 2015 e defende que o Governo devia ponderar aliviar a carga fiscal das famílias portuguesas em sede de IRS, bem como envolver a oposição num acordo a médio prazo para limite do défice.

Para a CSP foi muito importante o consenso político que permitiu chegar a acordo quanto à reforma do IRC, pelo papel estratégico que este imposto tem para o desenvolvimento das empresas, do país e para angariação de investimento direto estrangeiro, consolidando a retoma económica e a criação de emprego.

Vemos, por isso, com muita preocupação notícias de eventuais aumentos do IVA. Julgamos que o caminho deve ser o oposto e que seria importante agora dar um sinal aos portugueses e aliviar a carga fiscal, idealmente tanto em sede de IVA como de IRS”, de acordo com Luís Reis, presidente da CSP.

A CSP apresentou recentemente ao Governo um conjunto de propostas para a redução de custos contexto à atividade das empresas e para a reforma do Estado, dois dossiês essenciais para que se ganhe maior previsibilidade, estabilidade, simplificação e reorganização, tornando a economia portuguesa mais competitiva.

Portugal já foi alvo de três resgates financeiros nas últimas décadas. A confiança e a previsibilidade na economia, nos negócios e no emprego só se conseguem com medidas que sejam perenes e duradouras, constituindo a estrutura basilar do funcionamento dos Governos a nível orçamental e financeiro. Acreditamos que um acordo a médio prazo para o IRS e para limite de défice que envolva o Governo, os Parceiros Sociais e os Partidos é possível e essencial para o futuro”, defendeu Luís Reis.

Ainda no âmbito da Reforma do Estado, a CSP alerta para a necessidade de assegurar condições simples, transparentes e previsíveis para as nossas empresas e para quem quer investir no nosso País. Os procedimentos administrativos devem ser fortemente reduzidos e associados a um compromisso nacional de estabilidade.

A CSP representa o sector dos serviços em Portugal, nomeadamente os mercados das telecomunicações, centros comerciais, distribuição, comunicação comercial, comércio grossista e eletrónico, saúde, energias renováveis, tecnologias de informação, transportes expresso, segurança privada e estudos de mercado.