Sonae investe 63,3 milhões de euros em inovação nas áreas de retalho

3 JUNHO 2013

A Sonae investiu 63,3 milhões de euros em projetos de inovação nas áreas de retalho, envolvendo diretamente cerca de 2.600 colaboradores em tarefas de investigação, desenvolvimento e implementação.

A inovação está na essência dos nossos negócios, pelo que, todos os dias, os nossos colaboradores são estimulados a inovar. Seja através da participação ativa no desenvolvimento de novas lojas, novos e melhorados produtos e serviços, seja na criação de novas promoções e aperfeiçoamento dos processos de trabalho. Sempre com o objetivo de entregar mais valor aos nossos clientes”, afirma João Günther Amaral, diretor de Inovação da Sonae.

Os processos de inovação contaram com a participação dos mais de 30 mil colaboradores das áreas de retalho da Sonae. Os resultados acabam de ser disponibilizados na nova plataforma de inovação da empresa, disponível em www.inovacaonoretalho.sonae.pt.

De entre as várias centenas de projetos levados a cabo pela Sonae em 2012 destaque para o desenvolvimento dos produtos Bidão biodegradável e o Peugaiter, as gamas de marcas exclusivas Continente e a bola League Pro, bem como serviços onde se incluem o Centro de Assistência Técnica da Apple, os Serviços Well’s e a utilização de tablets no atendimento ao cliente Zippy. O desenvolvimento do novo conceito de Hipermercado do Futuro, que foi implementado no Continente de Cascais, e o novo conceito de supermercados Continente Bom Dia viram também a luz em 2012.

O sucesso da estratégia de inovação em 2012 conduziu à conquista de dezenas de prémios nacionais e internacionais como o prémio de inovação em comércio eletrónico Navegantes XXI, o Digital Communication Awards atribuído à Rede Contacto e o Kaizen Lean Award envolvendo os processos de melhoria contínua.

Em 2013, a Sonae tem como prioridade a promoção da inovação em toda a organização. “Apesar da conjuntura, a Sonae vai continuar a investir em inovação, pois esse é um garante para a criação de vantagens competitivas a longo prazo, contribuindo para um reforço das nossas posições de liderança em Portugal, mas também para a afirmação internacional das nossas insígnias”, conclui João Günther Amaral.