Mercadona fracassa na compra dos ativos da Pescanova em Portugal

7 NOVEMBRO 2014
A banca portuguesa recusou a oferta de compra dos ativos da Pescanova em Portugal por parte da Mercadona.

De acordo com o jornal La Voz de Galicia, a cadeia de supermercados espanhola quer entrar no capital da Pescanova, tendo apresentado uma oferta de compra da Acuinova Actividades Piscícolas, a maior unidade de cultivo de rodovalho da Europa, posta à venda pelos bancos credores para recuperar os 100 milhões de euros de dívida desta filial. A operação foi proposta pela Atitlan, um fundo de capital de risco ligado ao presidente da Mercadona, criado em 2006 para investir e consolidar a rede de fornecedores da cadeia valenciana de supermercados.

O valor proposto pela empresa de Juan Roig, que é detentor da terceira maior fortuna de Espanha, não foi ao encontro das expectativas da banca, pelo que a oferta de compra foi recusada. Além disso, em setembro, os bancos portugueses aprovaram uma injeção de capital no valor de um milhão de euros, para garantir a manutenção da atividade da fábrica de Mira e a alimentação dos peixes. Caso não apareça comprador, a banca não descarta a possibilidade de capitalizar toda ou grande parte a dívida.

De acordo com o jornal galego, o interesse da Mercadona nos ativos de Mira e em participar no capital da empresa pesqueira devem-se à estreita relação comercial entre ambas. Três das principais fábricas da Pescanova produzem quase exclusivamente para a Mercadona, nomeadamente a Frivipesca, especializada na preparação de alimentos com surimi, a Frinova, que fabrica refeições pré-cozinhadas, e a Bajamar, dedicada ao lagostim.