Makro recupera quota de mercado em Portugal

24 JUNHO 2013

Desde a implementação da nova estratégia em Portugal, há cerca de um ano, a Makro recuperou 41.400 clientes e aumentou a sua quota de mercado em 1,1 pontos percentuais em abril atingindo 20,3% no sector Cash & Carry. Valor que se segue a um crescimento homólogo que se manteve de mês para mês, desde janeiro.

A evolução de vendas da Makro foi melhor do que a do mercado, em concreto 5,8 pontos percentuais de subida. Enquanto o mercado viu as suas vendas descerem em 0,4 por cento, a Makro Portugal cresceu 5,4% no mês de abril. Este crescimento no sector de Cash & Carry pressupõe um crescimento da quota de mercado de 0,3% no total do sector de distribuição.

De acordo com a empresa grossista, estes resultados advêm de uma restruturação ao nível dos preços dos produtos, do “layout” das lojas e da forte aposta na formação, apresentação e motivação de todos seus os colaboradores. A Makro assume que o maior investimento foi ao nível dos recursos humanos, com enfoque na preocupação com a satisfação dos seus colaboradores e na formação contínua focada nestes e nos clientes, assim como na manutenção das melhores condições de trabalho e apresentação junto dos clientes. Exemplo disto foi a substituição de todos os uniformes. Para José María Cervera, diretor geral ibérico da Makro, “as pessoas que trabalham na Makro são o ativo mais importante. Podemos dizer que 60% do investimento foi feito nas pessoas e só depois no preço e no “layout”. A nossa maior missão é manter o emprego dos nossos colaboradores e consolidar a nossa posição em Portugal”.

Foram 4.000 os produtos alvo de uma descida de preços entre 8% e 10%, uma estratégia que se tornou permanente, fruto de um investimento no valor de cinco milhões de euros, representativo de um dos pilares essenciais desta restruturação.

A Makro quer estar ao lado dos pequenos e médios empresários da hotelaria e restauração. José María Cervera considera que “é importante que ajudemos os nossos clientes a ter negócios mais rentáveis e foi também a pensar nisso que criámos novas soluções e pensámos numa nova abordagem e apresentação. Queremos que a Makro deixe os clientes satisfeitos e a forte mudança a que nos propusemos foi também com o intuito de recuperar clientes, que a dada altura optaram por outras ofertas do mercado. Temos crescido de mês para mês e é com muito otimismo que encaramos esta recuperação em Portugal”.

Outra das chaves para o êxito desta recuperação foi a implementação de um novo modelo de negócio, com enfoque total no cliente, tornando-se o epicentro da atividade diária dos colaboradores da Makro. As lojas de Palmela e de Albufeira foram reinauguradas com este novo modelo em Junho, seguindo-se as lojas de Gaia, Braga e Matosinhos que vão acontecer durante o mês de Julho. Em novembro finaliza a remodelação das lojas de Alfragide, Cascais e Coimbra. “Acreditamos firmemente que em Portugal existe um grande potencial e que, com a implementação do novo modelo de negócio, vamos ser capazes de ser o melhor parceiro para a hotelaria e restauração portuguesas”, remata o diretor geral.

Em Portugal desde 1989, os responsáveis da Makro fizeram questão de manter a identidade da marca, mesmo após a restruturação de 2012 que incluiu a concentração da administração de Portugal e Espanha num único quadro executivo.