Mondelèz e Mars acusadas de proteger o seu cash flow à custa dos pequenos negócios

30 JANEIRO 2015
A Mondelèz e a Mars são acusadas de explorar os pequenos negócios ao ampliar os prazos de pagamento a alguns dos seus fornecedores britânicos de 60 para 120 dias.

Segundo a Confectionary News, o Forum of Private Business alega que cada vez mais empresas estão a alargar os prazos de pagamento para proteger o seu próprio cash flow à custa das pequenas empresas. “Numa altura em que o clima económico se mantém incerto, é fundamentalmente injusto que os pequenos negócios sejam usados como linha de crédito para as grandes organizações e para alimentar os grandes negócios”, comenta Phil Orford, diretor executivo do Forum of Private Business.

Em maio passado, a Mars comunicou planos para implementar novas condições de pagamento, confirmando-se agora a dilatação dos prazos. A Mondelèz também tomou uma atitude semelhante mas, garante, para apenas alguns dos seus maiores fornecedores britânicos. De acordo com Tony Bilsborough, responsável pelas comunicações externas da Mondelèz no Reino Unido, a empresa negociou com alguns dos seus fornecedores prazos de pagamento mais alargados mas dentro dos parâmetros legais britânicos. Também a Mars recusa estar a impor novos prazos de pagamento a todos os fornecedores, uma vez que trabalha cada parceiro individualmente. “Para alguns fornecedores, a Mars introduziu condições de pagamento mais dilatadas, juntamente com um programa de financiamento, que lhes permite receber o pagamento mais cedo, melhorar o cash flow e reduzir os custos administrativos, entre outros benefícios”, defende um porta-voz da empresa.