Covirán já gera lucros em Portugal

Covirán já gera lucros em Portugal

26 FEVEREIRO 2015
A divisão portuguesa da Covirán já gera lucros. A garantia foi dada por Luis Osuna, CEO da cadeia espanhola.

Em declarações ao infoRETAIL, o gestor confirma que, após três anos de investimento no mercado português, “chegou a hora de colher os frutos”, com esse capital a ser reinvestido novamente no negócio em Portugal. “Fechámos o ano com 320 supermercados, 239 associados, três plataformas e 1.727 trabalhadores em Portugal. Para 2015, esperamos incorporar 80 novos supermercados e alcançar os 400 estabelecimentos. Nos próximos dois anos, vamos continuar a crescer a dois dígitos, sobretudo em volume e em número de lojas”.

Luis Osuna acredita que 2015 vai ser um ano melhor para a cooperativa, que encerrou o exercício anterior com um volume de negócios de 618 milhões de euros, crescendo 3% face a 2013. Em valores comparáveis, as vendas mantiveram-se em linha. Os lucros líquidos ajustados alcançaram os 900 mil euros, mais 5% que no exercício antecedente. “Estamos muito satisfeitos com os resultados obtidos em 2014, um ano especialmente difícil para o nosso sector, e confiamos que 2015 também nos traga boas notícias”.

As previsões de crescimento da Covirán para este ano situam-se nos 7% em volume de negócios. A cooperativa de retalho irá manter, este ano, o nível de investimento observado em 2014, cerca de sete milhões de euros. São vários os projetos em curso, nomeadamente ao nível da expansão, com a Covirán a ter estabelecido como prioritárias as regiões centro de Espanha, a Galiza, Castela e Leão e, sobretudo, a Catalunha e as Canárias. Além disso, continua a estudar a sua entrada nas Baleares e em Marrocos.

Da carteira de projetos consta ainda o online, área onde a cooperativa desenvolve, desde há dois anos, um projeto com a Microsoft, para a criação de uma plataforma que integre todos os sistemas e a gestão de ponto de venda dos supermercados. “Nesta plataforma iremos abordando progressivamente o desafio do “e-commerce” e o desenvolvimento de algumas ferramentas, como as apps, para avançar no âmbito da omnicanalidade e para que os associados vão integrando na sua gestão determinadas operações. Atualmente, este novo software está implantado em 300 associados e esperamos que, em dois anos, esteja em 75% da base de associados da cooperativa”, avança Luis Osuna.