Londres mantém-se como localização de escritórios mais cara

5 MARÇO 2015
De acordo com a última edição do estudo Office Space Across the World 2015, publicado pela Cushman & Wakefield, a zona do West End em Londres continua a ser a localização de escritórios mais cara do mundo. Hong Kong é a segunda localização mais cara, seguida por Nova Iorque em terceiro lugar.

As rendas prime na capital britânica subiram 4,6% no último ano, mas estando ainda a 13% do pico de mercado em 2007. Contudo, perspetiva-se um contínuo aumento destes valores pela atual escassez de escritórios.

A nível global, as rendas subiram 7% em 2014, mais que duplicando o crescimento médio anual de 3% dos últimos três anos.

No ranking da região EMEA, depois de Londres, aparece Moscovo como segunda localização mais cara, apesar da queda registada de 17% nas rendas prime, devido à instabilidade politica vivida na zona. Paris aparece como no terceiro lugar da região EMEA, mas também registou um declínio de 6,3% nas rendas. Dublin foi a localização com a maior subida regional, ascendendo ao 19º lugar no ranking global. Por seu lado, Dubai e Doha subiram 4 e 3 lugares também a nível global, ocupando agora os 11º e 13º lugares respetivamente.

Em Portugal, o aumento da atividade motivou uma gradual redução de incentivos dados pelos proprietários, o que justificou uma manutenção dos valores de renda prime (Avenida da Liberdade, Lisboa), tendo o país subido um lugar no ranking, ocupando agora a 47ª posição.

No que respeita à região Ásia-Pacifico, além da primeira posição ocupada por Hong Kong, Nova Deli é a segunda cidade mais cara desta zona, seguida por Tóquio. Pequim mantém a quarta posição no ranking regional, apesar de uma queda de rendas registada em 2014.

Nova Iorque assegurou o primeiro lugar do ranking do continente americano, seguida pelo Rio de Janeiro e São Paulo, no Brasil. Em 2014, não houve alterações no topo da lista da região.

Bogotá foi a localização com melhor desempenho da região, tendo subido do 14º para o 6º lugar do ranking regional em 2014.