Alemanha é o mercado de retalho mais atrativo do mundo

Alemanha

27 MARÇO 2015
De acordo com a mais recente edição do estudo “How Active are Retailers Globally” da consultora imobiliária global CBRE, 47% das marcas inquiridas indicaram que as perspetivas económicas incertas e o agravamento dos custos, largamente devido ao aumento do valor das rendas e à falta de qualidade do espaço para comércio, são as maiores preocupações para 2015. Contudo, apesar destes desafios, o apetite para a expansão internacional continua forte e as marcas pretendem continuar a investir na sua rede de lojas ao longo deste ano.

Esta pesquisa revela que a Alemanha manteve-se em primeiro lugar, pelo segundo ano consecutivo, como o mercado de retalho mais popular no mundo com 40% dos operadores a planearem abrir uma loja neste país em 2015. Em segundo lugar está o Reino Unido com 33% e o terceiro é ocupado pela França com 31%.

Os representantes das marcas consultadas continuam a ser atraídos pela Alemanha muito devido à oportunidade de alcançar mais de 30 cidades com elevado poder de compra. Apesar do grande interesse no mercado alemão, as rendas praticadas, na maioria dos mercados, mantiveram-se estáveis ou assistiram a um leve aumento.

O Reino Unido também continua a ser um mercado muito procurado pelas insígnias estrangeiras, onde a procura continua a ser resiliente, especialmente em Londres. Tal é devido ao forte crescimento das rendas em localizações premium.

A França segue atrás do Reino Unido na atração dos operadores devido à maturidade do seu mercado, com várias cidades fortes e um grande número de centros comerciais de grande sucesso por todo o país. As marcas são, normalmente, atraídas pela capacidade de obter rapidamente um cliente tipo atento, daí focarem-se inicialmente em Paris e nas áreas circundantes e só depois na expansão para outras cidades. As recentes alterações no número de dias que permitem a abertura do comércio tradicional ao domingo e a criação de zona denominadas de turismo internacional estão a captar a atenção dos operadores internacionais para França.

21% dos lojistas planeiam abrir entre uma a cinco lojas na região da Europa, Médio Oriente e África (EMEA) até ao final do ano. Os planos de expansão de lojistas a procurarem abrir mais de 40 lojas foram reduzidos em 9% no ano de 2015.

Portugal surge no 20.º lugar de uma lista de 67 países presentes no estudo e no segundo pelotão de manifestações de interesse, com cerca de 24% dos operadores inquiridos a identificarem o país como um destino para a sua estratégia de expansão. Para Carlos Récio, diretor de Agência de Retail da CBRE, “este resultado evidencia que, apesar de todas as dificuldades que atravessamos, a recuperação lenta mas evidente que o país regista permite aspirar a que a nossa posição relativa possa melhorar em estudos similares que venham a ser efetuados nos próximos anos. Em 2015 continuamos a registar uma procura de novos operadores de retalho, de vários sectores e formatos, que pretendem entrar no nosso mercado e, seguramente, iremos assistir à abertura de lojas de novas insígnias. Este facto é revelador de um sentimento de confiança na nossa economia e que alguns operadores consideram que este será um momento interessante para realizarem o seu investimento.”