Real Companhia Velha declara Vintage 2011

13 MAIO 2013
A Real Companhia Velha revela que 2011 foi um ano excecional, dando origem ao expoente máximo do que se pode fazer no vinho do Porto. Como resultado da declaração de 2011, a Companhia vai lançar dois Vintages, Real Companhia Velha (Royal Oporto) Vintage 2011 e Delaforce Vintage 2011, néctares que vão estar em prova, em primeira mão, no próximo dia 13 de maio, em Londres, num evento promovido pelo The Institute of Masters of Wine no Vintner’s Hall.

Em 2011, o Inverno foi chuvoso o que proporcionou reservas hídricas para que as vinhas resistissem ao Verão quente e seco que se seguiu. Uma Primavera excecionalmente quente fez antecipar a vindima. No entanto, no final de agosto, dois dias de chuva providenciaram frescura que permitiu excelentes condições para o final da maturação. Os Vintage de 2011 são muito concentrados, mas elegantes e frescos. Segundo Jorge Moreira, diretor de enologia da RCV, “um amadurecimento precoce e uma elevada concentração costumam ditar vinhos com pouca frescura, nuances de compota, taninos agressivos e pouco equilíbrio, todavia, o resultado do ano de 2011 foi diferente. Tivemos um pouco dos dois mundos: frescura, elegância e uma exuberância de sabores típicos dos Vintages mais notáveis e a potência e estrutura dos Vintages provenientes de anos mais quentes”.

Como exemplo de vinhos do Porto Vintage notáveis, a Real Companhia Velha identifica as colheitas de 1963, 1967, 1970, 1977, 1994, 1997, 2000, 2003, 2007, às quais se junta agora a de 2011.