IKEA angaria 10.8 milhões de euros para ajudar refugiados

14 ABRIL 2015
A campanha da IKEA “Uma Vida Melhor para os Refugiados”, que contou com o apoio dos clientes e colaboradores da marca, angariou 10.8 milhões de euros para melhorar as condições de vida dos refugiados. Nas três lojas em Portugal, foram angariados 121.644 euros.

A campanha, que já recebeu o agradecimento do ACNUR - Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, decorreu nas lojas IKEA a nível global, entre o dia 1 de fevereiro e 28 de março de 2015. Durante este período, por cada lâmpada LED adquirida por um cliente, a IKEA Foundation doou 1 euro ao ACNUR.

Os fundos angariados vão ajudar a melhorar as vidas de 380.000 refugiados no Bangladesh, Chad, Etiópia e Jordânia promovendo novas oportunidades ao nível da educação, iluminação pública solar, lanternas solares e outras soluções de energia renovável.

Entre outras ações, os fundos angariados desde a primeira edição desta campanha, em 2014, estão a permitir que 11.000 refugiados sírios do campo Azraq, na Jordânia, se desloquem em segurança, após terem sido instalados aproximadamente 500 candeeiros de rua de iluminação solar e LED. Cerca de 40.000 famílias dos campos de refugiados na região de Dollo Ado, na Etiópia, podem agora trabalhar ou estudar após o anoitecer, graças às 40.000 lanternas solares e 240 candeeiros de iluminação de rua, que estão atualmente a ser instalados. Cerca de 13.000 crianças refugiadas estão matriculadas em escolas de ensino básico no Chade, podendo desta forma dar continuidade aos seus estudos”, afirma a marca em comunicado.

O número de pessoas deslocadas a nível mundial excedeu, pela primeira vez deste a Segunda Guerra Mundial, os 50 milhões incluindo 13 milhões de refugiados sob a proteção do ACNUR. Neste contexto, o envolvimento de todos a nível global, através do nosso parceiro de longa data, a IKEA Foundation, nunca foi tão importante. Agradeço, em especial, o empenho dos colaboradores IKEA e o apoio dos clientes que participaram nesta campanha global para podermos melhorar as vidas de milhares de refugiados” refere o Alto-Comissário Adjunto para os Refugiados das Nações Unidas, Alexander Aleinikoff.