EDP, Galp Energia e Pingo Doce são as marcas portuguesas mais valiosas

11 JUNHO 2014
A EDP, a Galp Energia, Pingo Doce, Caixa Geral de Depósitos Banco Espírito Santo, Continente, Banco Comercial Português, TAP, Jerónimo Martins e Grupo Mota-Engil são as 10 marcas portuguesas que lideram o ranking do “Top 30 Most Valuable Portuguese Brands 2014 ”, um estudo da Brand Finance, consultora líder em avaliação de marcas que este ano avaliou 144 marcas portuguesas, resultando no ranking das 30 marcas portuguesas mais valiosas.

A marca EDP continua a ser a marca mais valiosa em Portugal. O seu valor aumentou cerca de 11%, em relação ao estudo de 2013. Em termos de índice de força de marca, viu o seu rating reforçado de AA para AA+, e viu aumentar o valor de marca em 2014, tendo este ano ultrapassado a barreira dos 3 mil milhões de dólares (3.143 mil milhões de USD). Este resultado também permite que a EDP seja a única marca portuguesa a integrar este ano, os rankings das 500 marcas mais valiosas a nível mundial. 

Destaque também para o Pingo Doce, cujo valor de marca atinge este ano os 901 milhões de dólares, uma subida de 63% face ao seu valor em 2013 (553 milhões de USD). “Esta subida deve-se às perspectivas futuras de valorização da marca ainda este ano com a expansão para mercados como a Colômbia e Polónia. Esta valorização também beneficia a sua holding, a Jerónimo Martins, cuja marca também este ano evoluiu positivamente”, comentou João Baluarte, partner da Brand Finance Portugal e um dos coordenadores do estudo em Portugal. 

O sector da Banca é o mais representado no top 30 das marcas portuguesas mais valiosas, onde o Banco estatal, a Caixa Geral de Depósitos é a marca mais valiosa deste sector, seguido do Banco Espírito Santo, BCP, BPI, Santander- Totta e Montepio. Aliás, CGD, BES BCP e BPI são as quatro marcas de Bancos portugueses que também integraram o ranking das 500 marcas mais valiosas do sector da banca a nível mundial.

No sector das Telecomunicações, destaque para a Meo, cuja marca beneficia da fusão entre a TMN e a PT, valendo a marca, 257 milhões de dólares. A marca PT- Empresas também integra o ranking das marcas mais valiosas. No momento em que foi feito esta avaliação marcas, ainda não se tinha verificado a fusão das marcas ZON e Optimus.  A marca Zon vale 254 milhões de USD e a Optimus 151 milhões de USD. “Nesse aspecto, este estudo acaba por ser muito interessante porque, a partir destes valores e em estudos futuros, poderemos avaliar a evolução e as consequências de uma decisão de se criar uma marca nova: a NOS”, afirmou João Baluarte.

Em relação à força das marcas, destaque para o Banco Espírito Santo que é a marca mais forte do ranking, com um rating de AAA-. BCP, BPI e ZON apresentam este ano o mesmo índice de força de marca que a EDP (AA+). “O índice de força da marca revela a consistência da marca junto dos seus stakeholders e não tem que ser necessariamente a marca mais valiosa”, acrescentou João Baluarte.

Este ano, verifica-se uma valorização positiva da maiorias das marcas portuguesas mais valiosas em consequência do nível de risco associado à economia portuguesa que é menor hoje do que há um ano. Aliás nos últimos anos, verificámos uma tendência de desvalorização, muito embora a força e a representatividade das marcas não tenha sido negativamente afetada. Este ano, a evolução da nossa economia influenciou o valor das marcas e as 30  marcas portuguesas mais valiosas apresentam ratings em linha com as melhores práticas e benchmarks a nível internacional, o que lhes atribui um elevado fator de competitividade nos diferentes setores onde atuam e acredito que em breve veremos mais marcas portuguesas a integrarem os índices das marcas globais mais valiosas”, finalizou João Baluarte.