Portugueses confiantes no desenvolvimento económico

Portugueses confiantes no desenvolvimento económico

27 ABRIL 2015
As conclusões da sondagem GfK Clima de Consumo na Europa em 15 países europeus revelam que a disposição para comprar dos consumidores em relação ao desenvolvimento económico nos países individuais da Europa evoluiu de forma positiva no primeiro trimestre de 2015. Os consumidores da Europa Ocidental e Meridional mostraram-se otimistas, expressando confiança de que irão beneficiar da recuperação económica geral. Apesar dos dados económicos predominantemente positivos, os consumidores na Europa Oriental mostraram-se visivelmente mais céticos. O impacto do conflito na Ucrânia e os efeitos das sanções económicas contra a Rússia estão a desempenhar um papel significativo para os consumidores nesta região.  

A Europa está a recuperar da crise económica e financeira de uma forma constante, tendo a economia crescido durante o quarto trimestre do ano passado em praticamente todos os países europeus. As projeções para 2015 são boas, com os especialistas económicos a rever para cima as suas previsões em muitos países. Atualmente, prevê-se 1,8 por cento na Alemanha, 2,8 por cento em Espanha, 1,3 por cento para a zona euro e 1,7 por cento para a União Europeia (UE). A situação no mercado do trabalho também registou uma melhoria com a taxa de desemprego a baixar lenta, mas constantemente, na maioria dos países europeus. No entanto, a situação continua a ser extremamente difícil em Espanha, Portugal, França, Itália e na Grécia.

Por detrás do bom desempenho económico existem várias razões, entre as quais se destacam as reformas que foram, e que ainda estão a ser, implementadas nos países em crise, bem como em muitos outros países; o preço do petróleo que se encontra no seu nível mais baixo desde há muitos anos, tornando o fabrico e o transporte de mercadorias mais baratos para muitas empresas. De destacar ainda, que os consumidores necessitam de menos dinheiro para o gás e o aquecimento. E a desvalorização do euro que facilita as exportações dos países da zona da moeda única, dado que as suas exportações são mais baratas que as dos países fora da zona euro.

Portugal: os consumidores estão confiantes na recuperação económica
A opinião positiva dos consumidores portugueses sobre o desenvolvimento económico do seu país estabilizou-se no primeiro trimestre do ano. As expectativas económicas registaram 15,8 pontos em março, o que significa que este indicador se encontra logo abaixo da sua alta de longo prazo de 15,9 pontos registada em novembro de 2014. Há um ano, o valor do indicador registava apenas -2 pontos.

Os consumidores estão a prever vencimentos e salários estáveis nos próximos meses. Isto reflete-se no desenvolvimento das expetativas de rendimento, que registaram um ligeiro aumento de 2,1 pontos para 4,7 pontos. Assim sendo, o indicador encontra-se agora ao mesmo nível do que em outubro de 2014, enquanto um valor mais elevado foi registado pela última vez em janeiro de 2010.

Os consumidores portugueses embora ainda não possuam dinheiro suficiente para compras caras, para além dos bens essenciais necessários à vida quotidiana. O valor da disposição para comprar poderá ter aumentado de 6,6 pontos desde dezembro, mas o indicador registava -24,5 pontos em março, o que é um valor muito abaixo da média de longo prazo de zero pontos. No entanto, este é o valor mais elevado do indicador desde setembro de 2006.    

O clima global positivo dos consumidores europeus também se reflete na sondagem GfK Clima de Consumo para a UE 28. Nos primeiros três meses de 2015, o indicador aumentou de um notável valor de 4,3 pontos para 9,8 pontos, que constitui o valor mais elevado desde abril de 2008. O clima nos países ocidentais e do sudeste, incluindo a Grécia, registou, em alguns casos, uma melhora significativa. Os gregos esperam consideráveis melhoras económicas e um aumento nos rendimentos após a eleição em finais de janeiro de um novo governo. Ambos os indicadores registaram uma subida de cerca de 30 pontos no primeiro trimestre e encontram-se agora bem acima de zero. Resta ver se esta recuperação pode continuar a ser mantida, dadas as dificuldades que persistem relativamente às finanças do Estado. A economia da Espanha está a melhorar de forma constante, com os especialistas económicos a prever um crescimento de 2,8 por cento para este ano. A avaliação dos consumidores é igualmente positiva. Registando 41 pontos em março, as expetativas económicas estão no seu nível mais elevado desde que começaram a ser mantidos registos em 1986.

Em contrapartida, a situação na Europa Oriental está a ser consideravelmente influenciada pelo conflito na Ucrânia, para além da tensão entre o Ocidente e a Rússia e as sanções resultantes.