Gigantes do retalho mundial envolvidos em polémica sobre trabalho escravo

19 JUNHO 2014
Uma investigação do jornal britânico The Guardian descobriu uma nova polémica que envolve alguns dos maiores retalhistas do mundo, incluindo a Walmart, Carrefour, Tesco e Costco.

O jornal acusa estes retalhistas de comprarem camarões provenientes de trabalho escravo em “barcos fantasma” na Tailândia onde, alegadamente, centenas de homens são presos e forçados a trabalhar sem receber qualquer salário e sob extrema violência.


A investigação do The Guardian sobre a Charoen Pojphand Foods (CP Foods), o maior produtor mundial de camarão, descobriu que a empresa comprava ração a fornecedores que utilizavam trabalho escravo. Autodenominada de “a cozinha do mundo”, a CP Foods fatura cerca de 33 mil milhões de dólares, vendendo a sua marca própria e abastecendo os retalhistas internacionais de camarões congelados ou cozidos e de refeições prontas.


No seguimento da investigação do The Guardian, o Carrefour já confirmou ter suspendido as relações comerciais com esta empresa até que os factos sejam esclarecidos. Num breve comunicado, o grupo informou, ainda, que esta empresa foi objeto de uma auditoria, há um ano, e que nada de anormal foi encontrado naquela altura.


A Tailândia é o maior exportador de camarão do mundo, vendendo, todos os anos, 50 mil toneladas, das quais 10% são negócio da CP Foods.