Produtos nacionais têm qualidade mas são caros

20 MAIO 2013

Aos olhos dos consumidores nacionais, os produtos “made in Portugal” são de alta qualidade, apesar de serem artigos caros e de não conferirem prestígio a quem os adquire ou usa. Estas são algumas das conclusões do estudo “The "Made in Portugal" consumption and Country-Of-Origin perception in the context of crisis and austerity”, levado a cabo por Paula Arriscado, Rosa Conde e Bruno Galante, docentes do IPAM - The Marketing School.

Da avaliação que os portugueses fazem do produto nacional ressaltam, ainda, três outras ideias fortes: são atrativos, difíceis de identificar e não são comercializados em muitos países.

Três em cada quatro inquiridos (74,9 %) manifestam-se conscientes de que a compra de produtos estrangeiros coloca em risco os postos de trabalhos da economia portuguesa. Embora 79% dos respondentes partilhe da opinião de que “a população nacional deveria adquirir sempre artigos produzidos internamente, em detrimento dos produtos importados”, 68% reconhece que a preferência pelo que é nacional sai “mais cara”.

Tendo por base 438 inquéritos pessoais, o trabalho levado a cabo analisou quatro sectores de atividade – alimentar, vestuário e acessórios, calçado e artigos para o lar – e procurou perceber, também, qual é a representatividade dos produtos nacionais no cesto de compras dos portugueses. A principal conclusão é a de que a alimentação é o sector da produção nacional de eleição dos consumidores. 47% dos inquiridos afirma que mais de metade do seu cabaz de compras “made in Portugal” é composto por artigos do sector alimentar.