Qualidade de sites e apps das marcas pode determinar decisão de compra

16 JULHO 2014
A maioria dos consumidores portugueses (65%) admite que o site ou aplicação móvel de uma marca ou de um distribuidor pode fazer a diferença face aos seus concorrentes no momento da compra.

Esta é uma das conclusões de um recente estudo do Observador Cetelem, que analisou a influência dos sites no processo de compra dos consumidores europeus. O estudo revela, ainda, que a qualidade do site da Internet ou aplicação móvel de uma marca/distribuidor pode incitar os consumidores a deslocarem-se às lojas dessa marca/distribuidor. Efetivamente, cerca de três europeus em cada quatro afirmam que a qualidade de um site pode incitá-los a ir às lojas da marca em questão. Essa tendência, que é ainda maior entre os portugueses (76% contra a média europeia de 73%), mostra que a Internet funciona como fonte de tráfego para as lojas.

Cada vez mais, a conquista do cliente offline é efetuada desde as suas primeiras pesquisas online. 72% dos europeus declaram procurar na Internet as lojas mais próximas que propõem os produtos procurados e outros 19% não têm por hábito recorrer a esta ferramenta mas consideram as informações geolocalizadas muito úteis. “As conclusões da análise efetuada pelo Observador Cetelem destroem por completo a ideia de que poderia existir um confronto entre a Internet e as lojas enquanto espaços físicos. Os consumidores mostram sinais claros de que querem lojas e Internet numa interdependência cada vez maior. Querer separar o “online” do “offline” deixou de fazer sentido”, afirma Diogo Lopes Pereira, diretor de marketing do Cetelem em Portugal.