Receitas da Coca-Cola descem apesar do impulso do Campeonato do Mundo

23 JULHO 2014
A Coca-Cola reportou quedas nas receitas do segundo trimestre e nos lucros, apesar de um enorme esforço de marketing em torno do Campeonato do Mundo da FIFA.

A gigante de bebidas registou uma queda de 3% no lucro líquido global para o segundo trimestre para 1,93 mil milhões de euros, enquanto a receita caiu 1% para 9,35 mil milhões de euros.

Apesar dos números negativos, a Coca-Cola disse que o seu patrocínio do Campeonato do Mundo ajudou a impulsionar o crescimento do volume mundial de 3% para o segundo trimestre, com volumes de bebidas espumantes a subir 2% e o volume de bebidas destiladas em 5%.

Os resultados globais foram impactados por uma queda de 8% na faturação na América Latina, que a Coca-Cola atribuiu a ventos contrários da moeda, pressões regulatórias na região e mudanças para as suas operações de engarrafamento no Brasil. A receita operacional líquida e lucro operacional na Europa tiveram ambos um aumento de 7%.

A empresa disse que, após um primeiro trimestre difícil, o seu desempenho na Europa melhorou “como o resultado de uma forte ativação em torno do Campeonato do Mundo da FIFA, uma mudança no feriado de Páscoa e o estabilizar das condições económicas em determinados mercados".

Os volumes europeus foram estáveis no segundo trimestre, com o crescimento baixo de um dígito no negócio do noroeste da Europa e países nórdicos, Alemanha e Ibéria a compensar por uma queda de 4% na Europa Central e do Sul da Europa.

A Coca-Cola afirmou que as taxas de câmbio deverão ter um impacto desfavorável sobre os seus resultados anuais. A empresa espera agora um vento contrário de 3% sobre o lucro operacional no segundo semestre, levando a um impacto de 5% a 6% no ano inteiro.