Crescimento português contribui para a estabilização das vendas da Fnac na Península Ibérica

1 AGOSTO 2014
A Fnac confirmou a estabilização das vendas na Península Ibérica no segundo trimestre (-0,6%), beneficiando do bom desempenho em Portugal, onde a insígnia garante estar a crescer. Em Espanha, as vendas continuam a ser afetadas pelas adversas condições do mercado, embora mantendo a quota de mercado.

Globalmente, o volume de negócios da Fnac também parece ter estabilizado. As vendas, numa base comparável, caíram apenas 0,3% no segundo trimestre, sobretudo devido ao bom desempenho do mercado francês, que cresceu 0,8%, beneficiando das novas categorias de produto e formatos de loja, assim como da estratégia multicanal. Note-se que as novas linhas contribuíram para 10% das vendas no segundo trimestre, muito devido ao bem-sucedido lançamento da oferta na área das telecomunicações no mercado francês.

No Brasil, as vendas desceram 2,2%, penalizadas pela significativa descida na afluência às lojas após o início do Campeonato do Mundo de Futebol.

A valores constantes, as vendas da Fnac caíram 0,6% no segundo semestre, melhorando face à perda de 1,5% no primeiro trimestre e de 3,1% de 2013.

No conjunto dos seis meses, o volume de negócios baixou 1,1%, para os 1.639 milhões de euros, o que compara com a perda de 5,2% do período homólogo anterior. O resultado operacional corrente baixou sete milhões de euros, penalizado pela pressão na margem bruta ligada aos investimentos comerciais, e o cash flow melhorou em 19 milhões de euros.

Com a cortesia da Revismarket.