P&G vai desfazer-se de metade das suas marcas

4 AGOSTO 2014
A Procter & Gamble (P&G) planeia vender, descontinuar ou eliminar cerca de 100 das suas marcas ao longo dos próximos dois anos, com o objetivo de reduzir custos e focar-se nas linhas de produto “core”.

As cerca de 70 a 80 marcas que permanecerão no portfólio da empresa de bens de consumo representaram 90% das suas vendas e mais de 95% dos seus lucros nos últimos três anos, segundo adiantou A.G. Lafley, diretor executivo da P&G durante a conferência dos últimos resultados trimestrais. As marcas a eliminar, embora gerem mais de oito mil milhões de dólares anualmente, viram as suas vendas cair em média 3% e os lucros diminuir 16% e têm margens inferiores a menos de metade da média da empresa.

A avaliação do portfólio das marcas já iniciou no ano passado e materializou-se, já este ano, na venda das operações de pet food, incluindo as marcas Iams e Eukanuba, por 2,9 mil milhões de dólares. “A P&G será uma empresa muito mais pequena e menos dispersa e muito mais fácil de gerir”, sublinhou A.G. Lafley, que adiantou que toda a gestão da empresa, do desenvolvimento de produto ao marketing e logística beneficiará com a reestruturação.

As marcas que permanecerão no portfólio da P&G serão organizadas numa dúzia de unidades de negócio agrupadas em quatro sectores. A empresa irá manter as líderes de mercado e categoria. 23 destas marcas geram vendas entre mil milhões e dez mil milhões de dólares e as restantes entre 100 milhões e 500 milhões de dólares.

Não obstante esta reorganização, a P&G planeia lançar duas novas linhas de produto e marcas em categorias rentáveis. A.G. Lafley disse aos analistas que a empresa vai abordar a categoria da incontinência feminina adulta, avaliada em sete mil milhões de dólares, com uma nova linha de produto da marca Always, e lançar uma nova gama de produtos de bem-estar, sob a marca Metamucil.