Vendas retalhistas de móveis moderaram queda em 2013

7 AGOSTO 2014
A deterioração do mercado imobiliário e da procura de bens de consumo duradouro continuaram a afetar as vendas de móveis em 2013, diz o estudo Sectores Portugal publicado pela Informa D&B, embora a contração do mercado tenha sido moderada em relação às quedas contabilizadas no período 2011-2012.

Assim, o ano de 2013 encerrou com um volume de negócio de 620 milhões de euros, o que representa uma descida de 6,1% face a 2012, ano em que se registou um decréscimo de 10,8%.

Para o fim de 2014 prevê-se uma nova queda do valor do mercado, estimando-se uma variação de -1,6%, enquanto em 2015 poderá iniciar-se uma fase de crescimento, num enquadramento macroeconómico mais favorável.

Em 2012 operavam no mercado português cerca de 4.000 sociedades especializadas na venda retalhista de móveis, artigos de iluminação e outros produtos para o lar. O número de empresas registou nos últimos anos uma tendência descendente, diminuindo em perto de 1.500 operadores desde 2004.

A zona Norte de Portugal concentra o maior número de empresas do sector, reunindo cerca de 42% dos operadores, seguida pelas zonas de Lisboa e Centro, com participações à volta de 22%.

O sector gerou um volume de emprego cerca de 12.000 trabalhadores em 2012, tendo registado um decréscimo de 12,2% em relação ao ano anterior.